Quem Somos

A Evangelização através da Boa Imprensa

A Revista Rainha dos Apóstolos nasceu em Vale Vêneto, distrito da cidade de São João do Polêsine (RS), por iniciativa do Pe. Palotino Rafael Iop (1882-1947). Quando ele ainda era Vigário em Passo Fundo, já demonstrava vocação pela boa imprensa, editando, em 1920, a Folhinha da Serra, cuja venda era em benefício do Hospital São Vicente de Paulo, do qual foi o grande idealizador. Ao deixar aquela paróquia, vindo para o Vale Vêneto, trouxe consigo a ideia de fundar uma revista missionária. Estava findando o ano de 1922.

Pouco depois, foi nomeado reitor do recém-fundado seminário Rainha dos Apóstolos e mestre de noviços. Certo dia, chamou o seminarista Agostinho Michelotti e o mandou buscar uns caixotes em Três Vendas (então município de Cachoeira do Sul) que continham todo o material para montar uma tipografia. A primeira impressão foi a revista Regina Apostolorum, em abril de 1923. Devia ser uma revista missionária. Iniciou-se com cinco edições por ano, e sua assinatura custava $3000 (três mil réis). Ela nasceu humilde como o grão de mostarda do Evangelho. Podemos imaginar que esforços o benemérito fundador empregou para que a plantinha pudesse crescer e se tornar realidade cumprindo seu ideal. No verso da capa da primeira edição da revista Regina Apostolorum os editores começavam por dar um aviso aos leitores: “os leitores encontrarão diversos senões, provenientes da pouca prática que temos, esperando, porém, que o periódico para o futuro se apresente melhor”. Hoje, alguns “senões” eventualmente ocorrem, mas trabalhamos para que eles diminuam. Esta foi e continuará sendo a filosofia da Revista: melhorar sempre!

Em 1934, o Padre Rafael Iop transferiu-se para o Patronato Antônio Alves Ramos, de Santa Maria, levando consigo a pequena tipografia. A Revista continuou, já com o nome de Rainha dos Apóstolos, levando o ideal missionário a centenas de famílias. Chegou até o exterior. Os Palotinos dos Estados Unidos, de Roma, do Uruguai e da Argentina apreciavam a pequena Revista, porque mensalmente lhes levava notícias dos trabalhos e acontecimentos relacionados aos seus confrades do Brasil.

Os Diretores da Revista Rainha dos Apóstolos e suas Inovações

O Padre Rafael Iop foi diretor durante 24 anos. Seu sucessor foi o Padre Artur Stefanello, em agosto de 1947. De 1952 a 1960 foram diretores Pe. Pio José Soldera e Francisco Roggia. Olivo Cesca foi seu redator até 1993. Pe. Lauro Trevisan: de 1960 a 1977, quando mudou completamente a fisionomia da Revista e, em 1963, seu nome passou a ser somente RAINHA. Em 1970, nasceu o Piazito, revistinha destinada ao público infantil. De 1977 a 1982, nosso diretor foi o Pe. Isidoro Moro que, em 1978, por decisão da Província, trouxe para Porto Alegre parte do maquinário da Gráfica Pallotti e também a Revista Rainha. Seu sucessor foi Aldemir Busanello, atuando à frente da Revista de 1983 a 1988.

Em junho de 1989, o Pe. Pio José Soldera, pela segunda vez, assumiu a direção da Revista e foi responsável por ela até 1994. Em 2001, Pe. Pio transformou a seção “Evangelho em sua Vida” em um encarte próprio, o que facilitava sua retirada do centro da Revista para utilizá-lo na preparação da liturgia dominical.

Em fins de 1994, assumiu a direção o Pe. Romeu Ullrich, que permaneceu até 2010. Em 2008, contou com a ajuda do Pe. Sérgio Petkowski e, a partir de julho de 2009, o Pe. Jadir Zaro passou a ser o novo diretor de redação, continuando o Pe. Romeu como diretor comercial.

No princípio de 2011, assumiram como diretores os padres Judinei José Vanzeto (diretor editorial) e Jadir Zaro (administrativo). Atualmente, o Pe. Jadir Zaro é o diretor geral da Revista. Durante a gestão do Pe. Romeu, em 1997, a Rainha ultrapassou fronteiras, entrando na era da internet, com site vinculado ao portal da província dos Padres e Irmãos Palotinos de Santa Maria. Na gestão dos padres Jadir e Judinei, a Rainha aderiu à era das redes sociais, podendo ser seguida na página no Facebook, atualizada constantemente.

Em 1998, nasceu a Turma da Mia, de início modesta, em apenas uma página da Revista. Hoje, a Turma da Mia se transformou na Super Turma, com oito páginas. Foi em 1998 também que a Rainha retomou seu nome original, porém em português: Rainha dos Apóstolos.

Parabéns a todos os que fizeram, fazem e farão a história da Rainha dos Apóstolos mais brilhante: leitores, colaboradores, escritores, artistas, fotógrafos, diretores e a Província Nossa Senhora Conquistadora dos Padres e Irmãos Palotinos.

Que Maria, a Rainha dos Apóstolos, e São Vicente Pallotti abençoem a todos!