Artigos › 05/03/2020

Chiara Corbella Petril – Conheça a história de uma jovem italiana que deixou de lado o cuidado da própria saúde para gerar uma nova vida, tornando realidade o seu maior sonho: o de ser mãe

Chiara Corbella Petrillo nasceu em Roma, em 09 de janeiro de 1984. Sua família era católica e ela, à medida que ia crescendo, mostrava ser uma jovem serena, alegre e que gostava de ajudar ao próximo. Logo se interessou e participou da Renovação Carismática e, pode-se dizer que a fé e a devoção mariana pautavam sua vida.

Quando ela tinha 18 anos surgiu a oportunidade de fazer uma peregrinação a Medjugorje, um pequeno vilarejo da Bósnia e Herzegovina, onde se acredita que haja aparições de Nossa Senhora desde 24 de junho de 1981.

Embora ainda não haja um reconhecimento oficial da Igreja Católica sobre esses fenômenos, na prática percebe-se que muitos devotos vão até lá na esperança de um contato ou mensagem da assim chamada Rainha da Paz.

Nessa peregrinação ela conheceu um jovem italiano, chamado de Enrico Petrillo, que seria seu futuro esposo. Quando retornaram da viagem, iniciaram um namoro que duraria seis anos até culminar no casamento, em 21 de setembro de 2008.

DRAMAS E FÉ

O casal queria muito ter filhos e logo surgiu a primeira gravidez. No entanto, os exames feitos no período pré-natal, indicaram que seria uma criança com anencefalia (ausência de cérebro).

Os médicos recomendaram o aborto, mas eles decidiram levar a gravidez até o fim. Nasceu uma menina, que recebeu o nome de Maria Grazia Letizia, que sobreviveu apenas por meia hora.

O casal permaneceu unido na fé e firmes no sonho de serem pais. Afinal, o sofrimento pode ser purificador e redentor, desde que nossa fé nos faça enxergar mais longe, colocando nossos olhos na eternidade.

“Depois disso, que nos resta dizer? Se Deus é por nós, quem será contra nós? Aquele que não poupou seu próprio Filho, mas o entregou por todos nós, como não nos concederá juntamente com Ele, gratuitamente, todas as coisas? ” (Rm 8,31-32).

Alguns meses depois, Chiara e Enrico concretizaram a segunda gravidez. Novamente os exames durante a gestação indicaram uma criança com má formação, sendo que nasceria sem pernas. Nasceu Davide Giovanni em 24 de junho de 2010, mas viveu poucas horas.

Mais uma vez o casal aceitou a vontade de Deus. “Considero que os nossos sofrimentos atuais não podem ser comparados com a glória que nos será revelada” (Rm 8,18).

No entanto, nem passou pela cabeça deles desistir de ter filhos.

 

A TERCEIRA

Finalmente a terceira gravidez não mostrou nos exames nenhum problema no feto. O casal estava radiante, transbordando felicidade plena!

Ninguém esperava, porém, o que viria a seguir. Chiara descobriu que ela estava com câncer na língua e teve que se submeter a uma cirurgia para extirpar o tumor, em março de 2011.

Os médicos, na sequência, foram taxativos: ela teria que se submeter a um longo tratamento para curar o câncer, mas esse tratamento poria em risco a vida do filho que estava em seu ventre. O nome que ela havia escolhido era Francesco e nada na vida de Chiara era mais importante do que a saúde dele.

A maioria das pessoas aconselhou Chiara a fazer o tratamento, mas ela foi irredutível e priorizou a vida do filho.

Francesco Petrillo nasceu em 30 de maio de 2011. Chiara, então, foi continuar seu tratamento contra o câncer.

 

DESFECHO

Essa história me lembrou de imediato a vida de Santa Gianna Beretta Molla (1922-1962), sobre a qual escrevi um artigo na revista Rainha em maio de 2011. Gianna também deu a vida para que sua quarta filha pudesse nascer e já foi proclamada santa pela Igreja Católica em 24 de abril de 1994, quando o Papa era São João Paulo II.

Voltando à história da vida de Chiara, o que se sabe é que mesmo ela continuando o seu tratamento, o câncer já tinha evoluído de forma irreversível. A doença se espalhou pelos pulmões, ao fígado, ao olho direito (que ela cobria com um adesivo) e aos nódulos linfáticos.

O pequeno Francesco continuou crescendo e está com saúde, o que valeu todo o sacrifício. O casal não perdeu aquele olhar de confiança, de alegria santa, que tanto o caracterizou.

Em maio de 2012, Chiara, Enrico e Francesco se encontraram com o Papa Bento XVI na praça de São Pedro.

Com o avanço da enfermidade, Chiara se recolheu à casa da família, perto do mar. Ela tinha um diretor espiritual, Pe. Vito, que todos os dias lhe ministrava os sacramentos.

Seu falecimento ocorreu em 13 de junho de 2012, com apenas 28 anos. Seu exemplo de fé inabalável comoveu a todos que a conheceram.

Pouco tempo depois, em 02 de julho de 2018, a diocese de Roma deu abertura a sua causa de beatificação e canonização. Desta forma, ela se tornou Serva de Deus.

Já temos dois livros em português sobre ela, que se intitulam: Nascemos e jamais morreremos, e Pequenos Passos Possíveis.

Um dos pensamentos de Chiara, que quero deixar registrado em sua homenagem, é o seguinte: “Aquilo que Deus quer para nós é muito mais belo do que tudo que poderíamos pedir com a nossa imaginação”.

Que o exemplo de fé e o testemunho de vida dessa jovem italiana nos inspire e ajude para enfrentarmos com coragem os desafios que a vida nos apresenta!

O autor, Carlos Alberto Veit, é colaborador desta Revista. É professor, jornalista e psicólogo clínico em Porto Alegre (RS) – Artigo publicado na edição de março 2020.

 

 

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.